Você está aqui: Página Inicial > Institucional > História do CTIC

História do CTIC

por Osvaldo publicado 30/11/2015 12h34, última modificação 24/12/2015 19h17

O Setor de Processamento de Dados (SPD) foi criado em junho de 1974 e instalado em janeiro de 1985, através do art. 8º, alínea “e”, do Estatuto aprovado pelo Decreto nº 66.810/70, e está subordinado diretamente à Reitoria da Universidade do Amazonas, a nível de Órgão Suplementar.  Seu primeiro diretor foi o professor José Roberto Bianchi. Nessa época o SPD funcionava nas instalações do Curso de Farmácia, no bairro de Aparecida. Em virtude de que na época dos remanejamentos de equipamentos de processamento de dados (1972/1974), a Universidade do Amazonas, não ter sido contemplada pelo PNCI (Plano Nacional de Centro de Informática), optou pelo aluguel de horas blocadas no bureau, do Centro de Treinamento da IBM do Brasil, isso em junho de 1974, para em janeiro de 1975 alugar o sistema da IBM/3 – Modelo 10.

Inauguracao CPD

A partir de sua criação, o SPD desenvolveu vários sistemas para mainframe, como o Sistema de Controle Acadêmico (SISCA), em fevereiro de 1975, a primeira matrícula informatizada foi realizada na Universidade do Amazonas, em um sistema totalmente desenvolvido por nossos técnicos, que foi adaptado para várias outras universidades brasileiras, além de outros. Foram desenvolvidos também vários sistemas para microcomputadores, como o PLATÃO (Plano de Gestão), Sistema de Controle de Pós-Graduação, Sistema de Matrícula para a 3a Idade, etc. Utilizou-se um equipamento IBM/3, modelo 10, com 16 Kb de memória principal.

No ano de 1983, a FUA adquiriu um novo computador, um IBM 4331, com 2 MB de memória principal e 1.5 GB de espaço em disco, o que melhorou significativamente o poder de processamento do SPD,  que passou a funcionar em suas novas instalações no campus universitário (minicampus), no bloco M. Com a aquisição  desse novo equipamento houve aumento da capacidade dos equipamentos de informática e a crescente demanda por serviços, a Universidade ampliou a utilização de mainframes, mudando de equipamento para um IBM 4341, em seguida para um IBM 4381 R14, até chegar ao IBM 9221, modelo 150, bem mais avançado que os anteriores, pois possuía 32 MB de memória e 12 GB de espaço em disco.

A partir do fim década de 80, grandes transformações tecnológicas aconteceram na área de tecnologia da informação, obrigando o CPD a promover modificações na sua maneira de atuar centralizada, comum nos CPDs do tempo em que foi criado, passando a atuar de forma descentralizada e participando direta ou indiretamente de todas as principais ações relacionadas à gestão administrativa, ensino, pesquisa e extensão.

O Centro foi durante muitos anos a principal referência regional em termos de processamento eletrônico de dados, tendo formado e abrigado nos seus quadros boa parte dos profissionais que atuam na área de informática de Manaus. Foi também a partir do Centro que surgiram o curso de Bacharelado em Processamento de Dados (atual Bacharelado em Ciência da Computação), o Departamento de Ciência da Computação (DCC) e o curso de Mestrado em Informática da UFAM.

Ao longo dos anos e com a falta de investimento do Governo Federal nos serviços de processamento de dados das IFES, o CPD foi sendo desfalcado de seus principais técnicos, fazendo com que os dirigentes do órgão contassem, cada vez mais, com alunos do Curso de Ciência da Computação e com professores do DCC para execução de suas atividades. Desta interação, surgiram diversos sistemas e projetos de muito êxito. Dentre estes, citamos o Sistema de Controle Acadêmico (SISCA), que foi referência nacional entres sistemas de gestão acadêmica durante muitos anos, e a implantação da Internet na UFAM e no Amazonas.

A partir da 2ª metade da década de 90, deu-se uma grande mudança no perfil de atuação do CPD, marcada por diversos fatos importantes relatados a seguir.

Com relação ao desenvolvimento de sistemas, ocorreu a centralização no MEC dos sistemas de folha de pagamento das IFES, fazendo que com o sistema de gestão de pessoal da instituição fosse desativado. Por outro lado, houve a descentralização da operação de alguns sistemas para órgãos-fim da instituição, como o caso do sistema de vestibular, operado exclusivamente pela COMVEST. Paralelo a isso, o aumento dos valores dos salários pagos a profissionais de informática em Manaus e a falta de reajustes dos valores dos salários pagos ao funcionalismo público causou o desmonte do quadro técnico de analistas e programadores do CPD. Estes fatores fizeram com que o desenvolvimento de sistemas no setor deixasse praticamente de existir, limitando-se ao sistema acadêmico e de patrimônio.

Os computadores de grande porte tornaram-se tecnologicamente inviáveis e financeiramente inconvenientes com a proliferação de microcomputadores com poder de processamento cada vez maior e com custos cada vez menores. Assim, a Universidade desativou o seu Mainframe (computador de grande porte) no final da década de 1990. Isto levou à obsolescência todo o quadro de operadores de Mainframe da UFAM. Alguns destes ocupam hoje outras funções na Universidade, mas a maioria não se adaptou à nova realidade dos microcomputadores e servidores de pequeno porte, além de não ter havido um programa de capacitação adequado.

Neste momento, o número de microcomputadores disponíveis aos usuários já era considerável, de forma que muitas das tarefas de processamento de dados encomendadas ao CPD deixaram de ser necessárias. Isto levou o corpo de digitadores do CPD a uma situação semelhante à dos operadores de Mainframe, ou seja, seu cargo se extinguiu na prática.

Em meados de 2003, a instituição adquiriu um sistema de gestão que foi amplamente pesquisado, divulgado e aprovado pela comunidade, o Sistema de Informação para o Ensino – SIE. Era responsabilidade do CPD dar suporte à sua implantação. O sistema seria gerido pelos próprios usuários com o objetivo de controle e gestão da informação, acabando definitivamente com o papel de processamento de dados. Era um novo marco na história do avanço tecnológico da UFAM.

Dos diversos avanços tecnológicos, os que causaram o maior impacto na mudança de perfil do CPD junto à UFAM foram a disseminação das redes locais e corporativas e a Internet. De cerca de menos de uma dezena de terminais remotos instalados em poucos pontos da UFAM, o Centro passou a ter de manter, em poucos meses, centenas de pontos de conexão de rede com computadores dos usuários nas suas salas, incluindo professores, servidores e alunos.

A partir de 2009 o CPD passou a diversificar sua atuação e encabeçou projetos inovadores e de alta complexidade como a implantação do anel de fibra ótica de 10 Gbps com padronização de ativos de rede, implantação de um dos mais modernos DataCenters da região norte com ar-condicionado de precisão, gerador de grande potência, tecnologia Blade, robô de backup, storage, switch de chassi, sistema anti-incêndio e controle de acesso com biometria.

DataCenter UFAM

Implantou a solução de vigilância com câmeras digitais e sala de monitoramento em parceria com o setor de Segurança da UFAM.

Implantou solução de VoIP e integrou parte da infraestrutura de telefonia analógica à solução de voz sobre IP, passou a gerenciar o contrato de telefonia móvel

Implantou rede wifi com gerência centralizada e com equipamentos padronizados, disponibilizando a rede wifi-zone-ufam com mais de 100 rádios.

Implantou solução profissional para virtualização de servidores utilizando plataforma VMWare.

Implantou solução de e-mail institucional utilizando a plataforma do GMAIL, bem como solução de monitoramento da rede de dados visando manutenção pró-ativa.

Na área de sistemas implantou e desenvolveu importantes soluções que contribuíram para as áreas de negócio da UFAM tais como: ecampus, revistas eletrônicas, repositório de teses e dissertações, sistema do RU, sistema de inscrição para vestibular, plataforma de sites em joomla, gestão de eventos, entre outros importantes sistemas.

Em 2014 o CPD realizou um grande evento para comemorar os 40 anos de sua criação, havendo homenagens a ex-diretores, colabores e ex-colaboradores.

Evento 40 anos

Para melhor gerenciar as novas demandas, bem como exigências de órgãos de controle, em 2015 o Centro de Processamento de Dados passou por uma reformulação administrativa e mudou seu nome para Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) com cinco coordenações: Sistemas, Serviços de TIC, Infraestrutura, Projetos e Processos e Segurança da Informação.

Logo CTIC grande

Dessa forma o CTIC é mais uma etapa dessa fantástica história da área de TIC na UFAM, sendo que uma das mais recentes conquistas foi a implantação de uma unidade da Escola Superior de Redes da Rede Nacional de Pesquisa a partir da articulação da equipe do CTIC.

ESR UFAM